Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mais um para tocar o horror

O CNJ vem pelejando com a magistratura de Mato Grosso desde 2010, quando mandou aposentar compulsoriamente três desembargadores e sete juízes envolvidos num esquema de desvio de recursos do Tribunal de Justiça para uma loja maçônica de Cuiabá. Nessa semana, contudo, o CNJ agiu na contramão de decisões anteriores e resolveu promover a desembargador o […]

Por Da Redação - Atualizado em 18 fev 2017, 16h09 - Publicado em 11 maio 2012, 18h27

Voto vencido

O CNJ vem pelejando com a magistratura de Mato Grosso desde 2010, quando mandou aposentar compulsoriamente três desembargadores e sete juízes envolvidos num esquema de desvio de recursos do Tribunal de Justiça para uma loja maçônica de Cuiabá.

Nessa semana, contudo, o CNJ agiu na contramão de decisões anteriores e resolveu promover a desembargador o juiz Fernando Mirando Rocha, às voltas com problemas disciplinares e na Justiça.

A decisão não agradou em nada a corregedora Eliana Calmon. Durante a sessão, sussurrou aos conselheiros que, como ela, foram contra a promoção. Disse o seguinte:

Publicidade

– Pronto, agora vai se juntar aos outros bandidos que estão lá para tocar o horror.

Publicidade