Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Conteúdo para assinantes

Lula diz que não tem dinheiro para bancar despesas de tradutor judicial

Ex-presidente é alvo de ação na Justiça do DF por corrupção na compra de caças da FAB

Por Robson Bonin, Mariana Muniz - Atualizado em 31 mar 2020, 08h27 - Publicado em 31 mar 2020, 07h21

Veja como são as coisas. Para tentar se livrar das acusações de tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa na famosa negociação de caças da FAB, investigada pela Operação Zelotes, o ex-presidente Lula arrolou 80 testemunhas de defesa.

Nessa lista, algumas figuras foram ouvidas na Europa. Quando é assim, a Justiça recorre ao trabalho – nada barato – de um tradutor juramentado. Como foi Lula que escolheu suas testemunhas, a Justiça entendeu que é ele que deve pagar o tradutor. Mas não. O petista apresentou recurso nesta semana pedindo para não pagar.

“Levamos ao processo a decisão do ex-juiz Sergio Moro que bloqueou todos os bens e valores do ex-presidente. E em razão disso pedimos para que a tradução seja feita pela Justiça ou então que o juiz peça à Justiça de Curitiba o desbloqueio dos valores necessários para custear a tradução”, diz o advogado Cristiano Zanin.

Em 2014, o governo brasileiro comprou 36 caças da empresa sueca Saab para reequipar a Força Aérea Brasileira (FAB) ao custo de 5,4 bilhões de dólares, após mais de uma década de negociações entre o governo e outras duas concorrentes: a americana Boeing e a francesa Dassault, que chegou a ser anunciada por Lula como a vencedora da licitação em 2009.

Publicidade