Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Kit-intubação: Tribunal de Contas manda prefeitura de Recife usar estoque

Denúncia aponta que 468 mil unidades que vencem em 23 dias; Alerta foi feito por deputada estadual

Por Mariana Muniz Atualizado em 8 abr 2021, 16h32 - Publicado em 7 abr 2021, 08h30

O Tribunal de Contas de Pernambuco emitiu um alerta de responsabilização e recomendou que a prefeitura de Recife use os medicamentos e equipamentos para o tratamento da covid-19 que estão em seu estoque — alguns dos remédios fazem parte do chamado “kit intubação”, em falta em quase todo o país.

A notificação da Corte de contas partiu de denúncias feitas pela deputada estadual Priscila Krause (DEM). Segundo o levantamento da parlamentar, a prefeitura de Recife iniciou 2021 com 471 mil ampolas de sedativo válidas somente até 30 de abril.

De acordo com acompanhamento do gabinete de Krause, a prefeitura fez compras mesmo com materiais em estoque, como é o caso do do anestésico Propofol. Das 591 mil unidades compradas à empresa União Química Farmacêutica em 2020, restam 468 mil unidades que vencem em 23 dias.

Além da recomendação para o uso dos estoques, o Tribunal de Contas de Pernambuco pediu que a secretaria municipal de Saúde preste informações sobre o teor das denúncias.

Leia também:

ATUALIZAÇÃO, ÀS 16H30: A Prefeitura do Recife, em nota ao Radar, disse que “em parceria com o Governo do Estado distribuiu 434 mil unidades do seu estoque do medicamento propofol para atender aos pacientes com covid-19 pelo SUS, ainda em dezembro de 2020. O recebimento do medicamento se deu pelo Termo de Cooperação para o enfrentamento da pandemia, celebrado entre Prefeitura e o Governo. Hoje, a Prefeitura do Recife possui 44.817 unidades em estoque o suficiente apenas para as unidades municipais de saúde. A Prefeitura do Recife irá prestar todos os esclarecimentos necessários ao Tribunal de Contas dentro do prazo previsto”.

Continua após a publicidade
Publicidade