Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Dono da empresa de refrigerantes Dolly é citado por edital em processo

Parte Codonho é acusado de comando de organização criminosa, lavagem de dinheiro e fraude fiscal estruturada

Por Mariana Muniz Atualizado em 11 mar 2021, 19h36 - Publicado em 11 mar 2021, 10h30

O juiz Ulisses Pascolati Junior, da 2ª Vara de Crimes Tributários, Organização Criminosa e Lavagem de Bens e Valores de São Paulo, mandou citar por meio de edital o empresário Laerte Codonho, dono da empresa de refrigerantes Dolly.

Codonho é acusado de comando de organização criminosa, lavagem de dinheiro e fraude fiscal estruturada e foi alvo de denúncia pelo MP de São Paulo. A denúncia aponta que dívida ativa das empresas que integram o Grupo Dolly no estado de São Paulo somam quase 4 bilhões de reais.

No último dia 23 de fevereiro, o empresário foi procurado oficialmente pelo magistrado — citado — para responder à acusação, oferecer documentos e especificar as provas pretendidas em sua defesa.

No despacho de intimação, o juiz diz que Codonho está em “lugar incerto e não sabido” e, “como não tenha sido encontrado”, foi dado o prazo de 15 dias para saber onde está o dono do Dolly. Que já pode ter, inclusive, aparecido.

ATUALIZAÇÃO, 19h33 — A assessoria do empresário Laerte Codonho enviou ao Radar o seguinte registro: “O empresário Laerte Codonho sempre esteve à disposição da Justiça para prestar todos os esclarecimentos, razão das inúmeras vitórias recentes no Judiciário. No processo em questão, foi citado no dia 5 de março, quando requereu diversas medidas, todas elas deferidas no dia 8 de março, como é possível conferir no processo 0004379-14.2012.8.26.0050. Dias antes, portanto, de a nota de VEJA ser publicada”.

Continua após a publicidade
Publicidade