Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Jucá ‘entrega’ influência de Temer no Banco Central

Ou BC não é tão autônomo assim ou Jucá quis que Temer surfasse em uma boa onda

Por Pedro Carvalho Atualizado em 4 jul 2017, 15h41 - Publicado em 4 jul 2017, 12h33

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) entregou uma “ingerência” no Banco Central. No Twitter, comemorou a decisão de reduzir a meta de inflação. Na semana passada, o Conselho Monetário Nacional estabeleceu em 4,25% em 2019 e 4% em 2020.

Jucá responsabilizou o presidente pela notícia. “Posição corajosa e inteligente comandada pelo presidente Temer”, disse.

O “problema” é que o presidente do BC, Ilan Goldfajn, tem dado declarações exaltando a autonomia da instituição que comanda, responsável por estabelecer as metas inflacionárias.

Portanto, das duas, uma: ou Temer está mandando e desmandando na política monetária, como sugeriu Jucá, e o BC não é tão autônomo quanto Goldfajn prega, ou o senador tentou fazer o presidente surfar nessa onda.

(ATUALIZAÇÃO: O Conselho Monetário Nacional é formado pelos ministérios da Fazenda e Planejamento, além do Banco Central. E pela lei 4595/64, compete ao Presidente da República fixar diretrizes para o CMN. De acordo com a assessoria do Banco Central, Goldfajn nunca pediu autonomia para determinar as metas).

Continua após a publicidade
Publicidade