Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Isolado do governo, Malta sai em defesa de Michelle Bolsonaro

'Um absurdo'

No limbo político desde que ficou de fora do governo de Jair Bolsonaro, Magno Malta saiu em defesa da primeira dama, Michelle, nesta segunda (19).

Magno comentou a matéria da revista VEJA que conta a história da família da primeira-dama.

De acordo com a reportagem, a avó de Michelle, foi presa por tráfico, a mãe teve processo por falsificação de documentos e um tio é acusado de envolvimento com milícia.

“Eu quero saber qual é a família desse país que não teve algum tipo de problema envolvendo droga ou álcool, assassinato ou fatalidade. Uma coisa eu sei, ela pagou a justiça o que devia”, diz Malta.

Assista abaixo ao vídeo gravado por Malta:

View this post on Instagram

Essa esquerda não tem limite

A post shared by Magno Malta (@magnomalta) on

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Otavio Tallarico

    O problema da Veja é imp’u,tar os crimes dos famíliares em cima da pessoa (neste caso, a primeira dama). Na Koréia do Norte se faz isso: Uma pessoa comete um crime, e ele e a família toda (ascendentes e descendentes) são todos condenados juntos. A revista veja está seguindo esta mesma linha de raciocínio.

    Curtir

  2. robson barceloas gevegir

    Este senhor está fazendo uma cavadinha. Falta-lhe hombridade.

    Curtir