Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Imagem de negro morto por PM irrita Bancada da Bala, que cobra de Maia

Charge faz parte de exposição oficial sobre Dia da Consciência Negra; capitão da PM pede retirada do painel

A Bancada da Bala se incomodou com um dos painéis da exposição da Câmara dos Deputados pelo Dia da Consciência Negra, que acontece no corredor principal de acesso ao plenário.

São várias mensagens e imagens que tratam de diversidade, racismo, políticas públicas e representação dos negros em vários setores da sociedade.

Um desses cartazes, que trata do genocídio da população negra, traz a imagem de um jovem negro morto, envolto numa bandeira do Brasil, pelo disparo de um policial. O texto traz dados do Atlas da Violência, do Ipea, que aponta os negros jovens como o perfil mais frequente das vítimas de homicídio no Brasil e da ação letal as polícias.

Líder da Bancada da Bala, o capitão Augusto (PL-SP), da Polícia Militar, pediu a Rodrigo Maia a retirada desse cartaz da exposição.

“Os policiais militares, que todos os dias colocam suas vidas e de suas famílias em risco para garantir o bem estar dos nossos cidadãos, devem ser reconhecidos, privilegiados e valorizados, não podendo esta Casa compactuar com essa desnecessária e inoportuna manifestação de desonra e generalização de ilegalidade na atuação dos policiais”, diz o Capitão Augusto.

O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), que se envolveu ano passado no episódio da quebra de uma placa com o nome de Marielle Franco, se irritou com esse painel da Câmara.

“Essa imagem mostra um jovem negro, com a camisa com um símbolo nacional, a Bandeira, e algemado. E o policial deixando a cena com um revólver na mão, como se tivesse atirado contra alguém já dominado. Não condiz com a realidade. Uma coisa é confronto da polícia com negros e brancos. Isso aí, não”, disse Silveira, que posou ao lado do painel, como mostra imagem abaixo.

 (\\/VEJA)

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Carlos Smicelato

    O que muitos esquecem é que parte do ranço com as polícias também é um tipo de preconceito. Afinal, o policial no Brasil vem das camadas mais pobres e pesquisas já mostraram que mais de 60% dos policiais brasileiros são negoea ou pardos.

    Curtir