Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Greve dos bancários causa dor de cabeça aos candidatos em São Paulo

A greve dos bancários, que já dura 23 dias, tem dado dor de cabeça aos candidatos a vereadores e prefeito em São Paulo. Isso porque a Justiça Eleitoral exige que cada um deles preste contas a cada 72 horas da movimentação financeira da campanha. Os candidatos podem até se justificar junto ao TRE, mas terão […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 21h43 - Publicado em 28 set 2016, 17h35
Haja aspirina

Haja aspirina

A greve dos bancários, que já dura 23 dias, tem dado dor de cabeça aos candidatos a vereadores e prefeito em São Paulo.

Isso porque a Justiça Eleitoral exige que cada um deles preste contas a cada 72 horas da movimentação financeira da campanha.

Os candidatos podem até se justificar junto ao TRE, mas terão que perder um tempo com a burocracia do processo e muitos conciliam suas campanhas com seus trabalhos no segundo setor.

É o caso da psicóloga Mariana Aron (PSOL), que pleiteia uma cadeira na Câmara Municipal. Segundo ela, a conta corrente que os obrigam a abrir, como pessoa jurídica, não permite acesso pela internet nem pelos caixas eletrônicos. Por isso, ela reclama que não tem como prestar contas das doações e das despesas feitas a cada três dias.

Continua após a publicidade

Publicidade