Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Grampo automático

Beto Mansur até tentou criar um instrumento para combater os “sequestros eletrônicos”, aqueles trotes em que um bandido finge ter raptado um parente de seu interlocutor para dar um golpe. Apresentou uma proposta para tornar obrigatória a instalação de um botão de emergência nos telefones fixos e móveis que, se acionado, gravaria automaticamente a conversa […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 11h40 - Publicado em 10 jun 2011, 14h31

Beto Mansur até tentou criar um instrumento para combater os “sequestros eletrônicos”, aqueles trotes em que um bandido finge ter raptado um parente de seu interlocutor para dar um golpe. Apresentou uma proposta para tornar obrigatória a instalação de um botão de emergência nos telefones fixos e móveis que, se acionado, gravaria automaticamente a conversa e localizaria a origem da chamada.

Em 2007, a Comissão de Segurança Pública da Câmara aprovou o projeto. Mas na semana passada a Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática colocou uma pedra no caminho da proposta, a qual tem o potencial de abrir uma janela para a facilitação de grampos país afora: rejeitou o projeto sob o argumento de que sigilos telefônicos poderiam ser violados sem a autorização da Justiça.

Agora, a Comissão de Constituição e Justiça se pronunciará sobre os pareceres. Se concluir que os dois são constitucionais, ambos seguirão para o plenário. Os deputados então decidirão no voto qual prevalecerá e passará para o Senado. Caso a CCJ derrube um dos textos, só o outro irá adiante.

Publicidade