Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Governo Witzel libera R$ 35 milhões para empresário acusado de corrupção

Sem licitação

Por Ernesto Neves Atualizado em 29 ago 2019, 17h43 - Publicado em 29 ago 2019, 06h30

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do estado do Rio liberou R$ 35 milhões em contratos emergenciais para a empresa Atrio Rio Service Tecnologia e Serviços.

Essa empresa pertence a Mario Peixoto, que prosperou durante a gestão de Sérgio Cabral.

De acordo com a ata publicada no Diário Oficial, serão dois contratos de fornecimento de serviços administrativos para a Faetec.

O primeiro de R$ 31.860.426,36, e outro de R$ 4.699.594,68 (veja abaixo).

Peixoto foi estrela da delação premiada feita pelo advogado Jonas Lopes de Carvalho Neto, filho do ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ)

Segundo o delator, Peixoto era o responsável pelo pagamento de um mensalão de R$ 200.000 aos conselheiros responsáveis por aprovar as contas das Organizações Sociais.

Peixoto também estaria por trás de outra encrenca do governo Witzel

Funcionários do Detran afirmam que ele provocou a demissão do atual presidente do órgão, Luiz Carlos das Neves

Continua após a publicidade

O sindicato do órgão publicou um abaixo-assinado contra a mudança nesta quarta (26). Você pode ler o documento aqui.

Veja/VEJA

Atualização:

A empresa Atrio afirma que Mário Peixoto não pertence ao quadro societário desde 2014 e que sua saída foi anterior à delação feita por Jonas Lopes, que data de 2016. E que trata-se de uma denúncia sem qualquer prova. 

Diz ainda que desde o início do atual governo do Estado, concorreu em mais de 40 disputas emergenciais, em diferentes órgãos e secretarias de Estado, através do Sistema Integrado de Gestão Administrativa (SIGA), e sagrou-se vencedora para prestar um único serviço: fornecimento de mão de obra para as unidades da Faetec das regiões Metropolitana e Serrana.

Também afirma que não faz sentido atribuir à Atrio a demissão do presidente do Detran e a leitura da nota do sindicato dos funcionários do Detran.

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade