Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Governo Bolsonaro continua torrando dinheiro com cloroquina

Medicamento supostamente eficiente no combate ao coronavírus já foi desmoralizado pela OMS, mas aqui segue em alta

Por Hugo Marques Atualizado em 1 jun 2020, 13h30 - Publicado em 1 jun 2020, 12h38

A cloroquina já virou um mico internacional, desacreditada pela OMS e por diferentes países europeus, mas na agonia diária do governo de Jair Bolsonaro, ela segue consumindo dinheiro público.

Nos últimos dias, o medicamento receitado por Bolsonaro na pandemia de coronavírus figurou duas licitações de unidades de saúde comandadas pelo Exército.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

O Hospital Geral de Belém, vinculado ao Exército, publicou há duas semanas uma licitação para aquisição de insumos de saúde com a cloroquina na lista.

Já o 4º Batalhão de Infantaria de Selva do Comando de Fronteira do Exército no Acre abriu licitação para também torrar os limitados recursos públicos com cloroquina. 

Continua após a publicidade
Publicidade