Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Governo assenta 3,8 mil famílias na reforma agrária em 2020

Os estados recordistas em assentamentos foram Mato Grosso, com 693 famílias, e Goiás, com 425 famílias

Por Hugo Marques Atualizado em 22 jan 2021, 18h58 - Publicado em 24 jan 2021, 10h22

Dados do Incra, atualizados no dia 30 de dezembro de 2020, mostram que o órgão assentou no ano passado 3.813 famílias na reforma agrária, uma queda de 29% em relação a 2019, quando foram assentadas 5.409 famílias.

Em 2020, o Incra pretendia assentar 4.898 famílias, meta distante de ser cumprida. Em alguns estados não foi assentada nenhuma família na reforma agrária, como no Piauí, Paraíba e Tocantins.

Os estados recordistas em assentamentos foram Mato Grosso, com 693 famílias, e Goiás, com 425 famílias. Em São Paulo, foram apenas 183 famílias.

O governo de Fernando Henrique Cardoso, após o massacre de Eldorado de Carajás, chegou a assentar 101.000 famílias por ano. Lula chegou a 136.000 famílias em um ano. 

A queda do número de assentamentos da reforma agrária após o segundo mandato de Lula é uma das maiores em 25 anos.

O declínio no número de famílias assentadas começou no governo de Dilma Rousseff, chegando no máximo a 32.000 famílias por ano. O governo de Michel Temer atingiu no máximo 8.800 famílias em 2018.

O governo de Jair Bolsonaro tem concentrado sua política no campo na concessão de títulos de domínio (TD), documento que transfere o imóvel definitivamente para o assentado. Segundo o Incra, serão expedidos 100.000 TDs nestes quatro anos de governo.  

Continua após a publicidade
Publicidade