Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Governo abre temporada de concessões bilionárias na infraestrutura

Até dezembro, serão leiloados nove terminais portuários e duas rodovias, entre elas, a Dutra, já nesta semana

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 28 out 2021, 09h41 - Publicado em 28 out 2021, 10h01

O governo federal dá início, nesta sexta-feira, à Super Infra, nova temporada de leilões que quer atrair 23,5 bilhões de reais em investimentos privados ao setor de transportes.

Com previsão de gerar, ao menos, 400 000 empregos, serão onze leilões até o final do ano: dois rodoviários e nove arrendamentos portuários.

A primeira negociação será a concessão da Rodovia Dutra em conjunto com a Rio-Santos, já nesta semana. No total, estão previstos quase 15 bilhões de reais em investimentos para transformar a rodovia que liga as duas maiores regiões metropolitanas do país.

Com o investimento privado, será possível reduzir em até 35% o valor do pedágio, diz o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Estão previstas no edital inovações como o desconto progressivo na tarifa de pedágio, de acordo com a frequência de utilização da via para veículos de passeio.

Na sequência da Super Infra, ocorrem os leilões de nove arrendamentos portuários, divididos em duas datas. O primeiro, em 5 de novembro, terá três terminais na região Nordeste, superando 300 milhões de reais em investimentos.

Duas semanas depois será a vez do maior leilão portuário da história. Em 19 de novembro, serão leiloadas duas importantes áreas destinadas a combustíveis no Porto de Santos, somando quase um bilhão de reais em investimentos em uma área total de cerca de 450 mil metros quadrados.

No mesmo dia, outros quatro terminais portuários vão a leilão, com 138 milhões de reais a serem injetados pela iniciativa privada. Um na Paraíba, para armazenagem de granito no Porto do Cabedelo; um em Santa Catarina, destinado a granéis líquidos no Porto de Imbituba; um no Rio de Janeiro, voltado para granéis minerais sólidos no Porto de Itaguaí; e outro no Rio Grande do Sul, destinado a granéis sólidos vegetais no porto de Porto Alegre.

Continua após a publicidade

Publicidade