Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Goiás terá Secretaria da Retomada para organizar pós-pandemia

Ronaldo Caiado diz que momento é de união de esforços entre todos os poderes e segmentos da sociedade para que prioridades sejam definidas rapidamente

Por Robson Bonin Atualizado em 25 jun 2020, 09h04 - Publicado em 25 jun 2020, 08h15

Ronaldo Caiado decidiu encaminhar à Assembleia Legislativa nesta semana um projeto de lei para criar no governo goiano a Secretaria da Retomada. A pasta se dedicará, segundo o governador, a “diagnosticar, antever e propor soluções para os desafios que começam a surgir nesse segundo momento da pandemia do coronavírus”.

A secretaria foi idealizada sem custos para o Poder Público, a partir de uma reorganização de cargos, como o de superintendentes, diretores e gerentes, para evitar sobreposições verificadas nas áreas de Indústria e Comércio; Desenvolvimento e Inovação; e Desenvolvimento Social.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine

“Quando fui candidato, criamos uma estrutura de secretarias, baseada em nosso plano de governo de 2018. Agora são necessários reajustes diante do colapso fiscal encontrado quando assumimos a gestão e diante de uma pandemia. Por isso estou revendo meu plano de governo para cuidar das pessoas”, diz o governador.

As perspectivas de desemprego, comprometimento de renda das famílias mais vulneráveis, migração de estudantes de escolas particulares para públicas, cancelamento de planos de saúde, com o esperado aumento da demanda no setor público, e dificuldades de pequenos empresários motivam a ação do governo goiano.

Em relação a este último panorama, por exemplo, o governador disse que vai trabalhar para “avançar no crédito subsidiado do Fundo Constitucional do Centro-Oeste para que haja capital de giro necessário para a sobrevivência das pequenas empresas”.

“Temos que ter uma política social muito forte para que o braço do Estado não falte a essas pessoas, famílias e municípios mais carentes”, defende Caiado.

Segundo ele, o momento também é de alianças e união de esforços entre todos os poderes e segmentos da sociedade civil para que prioridades sejam definidas rapidamente e não se perca tempo com “situações acessórias”.

 

Continua após a publicidade
Publicidade