Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Futuro ministro recebeu 450 000 reais da família de bicheiro

Dinheiro saiu da empresa que pertence ao irmão da Carlinhos Cachoeira para a campanha do 'menino de ouro'

Escolhido por Michel Temer para assumir o Ministério das Cidades, o deputado Alexandre Baldy terá dificuldades para se dissociar de um dos mais famosos contraventores do país, Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Desde 2012, quando uma CPI investigou o bicheiro, a relação entre os dois é pública, notória e constrangedora. Cachoeira derretia-se ao se referir ao agora futuro ministro como “menino de ouro”.

Mas a prestação de contas da disputa eleitoral de 2014 revela mais: a família Almeida Ramos ajudou a financiar o plano de poder do pupilo.

A empresa JC Distribuidora de Medicamentos, que pertence a Sebastião de Almeida Ramos Filho, irmão de Carlinhos Cachoeira, doou 450 000 reais à campanha de Baldy naquele ano.

A JC é velha conhecida das autoridades. Em 2012, segundo “O Globo”, a empresa foi investigada pela Receita por movimentações atípicas, 66,8 milhões de reais em dois anos.

A tomar pelo montante que passa pelo caixa da distribuidora, um agrado de 450 000 reais a um amigo que pode valer ouro, não há de ser nada.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. “(…) pública, notória e constrangedora”. No país em que um condenado pela justiça é presidenciável e tornozeleira eletrônica é acessório “fashion”, isso aí não significa absolutamente nada. Já batemos no fundo do poço há muito tempo.

    Curtir

  2. JOSÉ ALVES GUIMARÃES

    Esses senhores que recebem malas com dinheiro roubado do povo, são as legítimas autoridades de uma república cleptocrata. Afinal, o diretor da PF garante que mala com 500 mil reais não quer dizer nada, não é prova contra um bandido notório. Cadê o povo deste país?

    Curtir

  3. Esse menino cai como uma luva no meio desse governo composto por criminosos.

    Curtir