Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Funcionário da Davati confirma menção a ‘comissão’ feita por Dominguetti

Cristiano Carvalho disse que Roberto Dias o procurou na sequência

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 15 jul 2021, 11h40 - Publicado em 15 jul 2021, 11h36

O vendedor da Davati Medical Supply Cristiano Carvalho afirmou há pouco na CPI da Pandemia no Senado que Luiz Paulo Dominguetti, que também representava a empresa de equipamentos médicos, foi quem mencionou um “comissionamento” no contrato em negociação entre a empresa e o Ministério da Saúde.

A comissão de inquérito investiga indícios de pedido de propina por funcionários do governo na negociação para a compra de doses da vacina da AstraZeneca.

Segundo Carvalho,  o encontro com Dominguetti teria ocorrido no início deste ano. Dominguetti teria relatado a Carvalho que sobre o valor do contrato em negociação incidiria “um comissionamento” a ser dividido com o “grupo do coronel Blanco”.

Marcelo Blanco é ex-diretor substituto do Departamento de Logística do Ministério da Saúde. Ele, que era o braço direito do então diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, foi exonerado em junho passado, assim como Dias também foi.

Ainda de acordo com Carvalho, poucos dias depois desta conversa com Dominguetti, o vendedor recebeu uma mensagem de Roberto Dias, dando início às tratativas para a negociação do contrato de venda de vacinas.

Carvalho ficou surpreso com a iniciativa do funcionário do Ministério da Saúde porque até aquele momento não havia acontecido nenhum comunicado formal do ministério em relação ao negócio. “Eu nunca entrei em contato com o Ministério da Saúde, foi o Ministério da Saúde quem me procurou, por meio do senhor Roberto Ferreira Dias”, disse Carvalho à CPI.

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade