Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Francis Hime visita sua obra em aulas de composição e história das canções

Do piano forte, inventivo e de melodias marcantes, o músico, aos 81 anos, volta a dar aulas; nas lições não faltam as memoráveis parcerias com Chico

Por Evandro Éboli - Atualizado em 11 set 2020, 10h41 - Publicado em 11 set 2020, 10h31

Francis Hime é do restrito grupo de músicos com formação clássica que se enveredaram também pela música popular.

E, caso ainda requeira apresentação, é um colecionador de composições arrebatadoras.

Aos 81 anos, Hime decidiu fazer uma viagem ao tempo e voltar a dar aulas. No passado, ele ensinou um pouco do que sabe a outros que se tornaram renomados, casos de Sergio Mendes e Ivan Lins.

“Você aprende muito ensinando. Tem que estudar para ministrar uma aula. É um belo e enriquecedor desafio. Bom voltar a isso hoje em dia” – disse Francis Hime ao Radar.

No curso virtual “Composição e arranjo”, na verdade, cabe todo mundo. Não apenas músicos formados ou estudantes de música. É aberto também a categoria “ouvinte”, destinado a apreciadores de sua obra. Hime vai contar as histórias das composições, como se deram, em que circunstâncias: quem veio primeiro, a letra ou a melodia?

Continua após a publicidade

ASSINE VEJA

Covid-19 no Brasil: o pior já passou Leia nesta edição: Queda na curva de mortes mostra sinais de alívio na pandemia. E mais: por que o futuro político de Lula está nas mãos de Bolsonaro
Clique e Assine

Certo que nas modalidades do curso sua memorável parceria com Chico Buarque estará presente. Nas aulas práticas, por exemplo, um exercício para os alunos será dar sequência na melodia de sucessos como “Meu caro amigo”, “Vai passar” e “Trocando em Miúdos”.

Os ouvintes vão saborear com os bastidores de como Hime e Chico chegaram a essas músicas.

“Quase sempre Chico letrava minhas melodias já prontas. Mas um caso atípico foi ‘Vai Passar’, que ele fez a primeira parte da melodia e letra e mais o refrão. E eu compus a segunda parte”.

Seria uma parceria coletiva com os compositores que batiam bola no Politheama, o time do Chico. Mas depois da pelada, ninguém tinha cabeça pra compor, exceto o vascaíno Francis, que concluiu sozinho a melodia que faltava nesse samba-enredo.

O curso e as aulas particulares de Hime começam em outubro e será online ao vivo pela plataforma Zoom. As inscrições e reservas podem ser feitas no site do Acervo Digital do Violão Brasileiro (violaobrasileiro.com.br).

Continua após a publicidade
Publicidade