Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Fim da exclusividade

Acabou (rara) a exclusividade que o Itamaraty conseguiu no segundo governo Lula – a de ter 100% de diplomatas em cargos de diplomacia. Dilma Rousseff indicou Laércio Vinhas, atual diretor da CNEN, para exercer o cargo de Representante Permanente do Brasil na Missão Junto à Associação Internacional de Energia Atômica, em Viena. Até então, era […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 10h38 - Publicado em 27 set 2011, 14h19

Acabou (rara) a exclusividade que o Itamaraty conseguiu no segundo governo Lula – a de ter 100% de diplomatas em cargos de diplomacia. Dilma Rousseff indicou Laércio Vinhas, atual diretor da CNEN, para exercer o cargo de Representante Permanente do Brasil na Missão Junto à Associação Internacional de Energia Atômica, em Viena. Até então, era um posto exclusivo de embaixadores.

Publicidade