Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Às vésperas da olimpíada, judô paulista vive guerra e intervenção judicial

O STJD indicou um interventor para a entidade e transformou o ex-presidente da FPJ em réu

Por Gustavo Maia Atualizado em 20 abr 2021, 19h41 - Publicado em 20 abr 2021, 14h30

A Federação Paulista de Judô está em polvorosa. As eleições para o comando da entidade foram questionadas no STJD por denúncias de uma série de irregularidades que favoreceriam o então presidente, Alessandro Panitz Puglia.

O mandato dele chegou ao fim no último dia 31 de março e o tribunal desportivo indicou um interventor, definindo uma nova comissão eleitoral para a federação, além de transformar Puglia em réu. E aí a história ficou ainda mais conturbada.

A FPJ resistiu à autoridade desportiva e levou o caso à Justiça comum, que também reconheceu a legitimidade do STJD (como prevê o próprio estatuto da federação).

Enquanto isso, a oposição protesta: “Resta à FPJ submeter-se à intervenção do STJD e parar de tumultuar. As determinações do interventor são legítimas e, para o bem do judô paulista, os trabalhos precisam ocorrer dentro da legalidade”, diz o advogado Renato Ribeiro de Almeida, que representa a chapa oposicionista ao lado do colega Carlo Frederico Muller.

Continua após a publicidade
Publicidade