Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Fabrício Queiroz passou endereço falso para a Justiça, diz juiz

Na decisão em que ordenou a prisão, juiz revela que defesa deu como paradeiro do ex-assessor um hotel, mas ele nunca esteve lá

Por Mariana Muniz, Robson Bonin Atualizado em 18 jun 2020, 20h37 - Publicado em 18 jun 2020, 20h35

Nesta quinta, Jair Bolsonaro criticou a ação classificada por ele como “espetaculosa” em torno da prisão de Fabrício Queiroz e disse “crer” que o ex-assessor de Flávio apareceria, se fosse chamado a depor.  As provas reunidas no processo mostram exatamente o posto.

Fabrício atuou para ocultar seu paradeiro em Atibaia, a casa de Frederick Wassef, advogado da família Bolsonaro, que era tratado por ele pelo codinome “anjo”. É o que costa na decisão em que o juiz Flávio Itabaiana autorizou a prisão de Queiroz, à qual o Radar teve acesso.

A polícia chegou ao endereço em Atibaia depois de interceptar fotos mandadas por Queiroz a familiares sobre um churrasco na casa de Atibaia.

Os investigadores afirmam, segundo a decisão judicial, que Queiroz levava uma vida “acima de suas posses” em Atibaia e que diálogos entre Queiroz e sua mulher, Márcia Aguiar, demonstram que ele “recebia dinheiro de terceiros para se manter”.

“Note-se que parte da rotina de ocultação do paradeiro de Queiroz envolvia restrições em sua movimentação e em suas comunicações”, registram os investigadores.

Continua após a publicidade
Publicidade