Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Exposição lamenta fim de órgão de igualdade racial, mas ele não acabou

Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial liberou milhões para regularização fundiária de territórios quilombolas

Por Robson Bonin Atualizado em 26 nov 2019, 20h27 - Publicado em 26 nov 2019, 18h15

A exposição sobre o Dia da Consciência Negra na Câmara, aquela do cartaz do jovem negro morto por um policial, continua despertando os instintos mais primitivos dos aliados de Jair Bolsonaro.

A bronca agora é com o conteúdo de um dos painéis relacionados à Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. O texto diz que a “extinção da secretaria representa um retrocesso na gestão de políticas públicas voltadas para a igualdade racial”.

O problema é que, bem ou mal, a repartição não acabou. Ela continua existindo no ministério de Damares Alves — e com dinheiro.

Na semana passada, a Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial anunciou um repasse de quase 2 milhões de reais para o Incra tocar a regularização fundiária de territórios tradicionais quilombolas. 600 famílias podem ser beneficiadas com a medida.

Continua após a publicidade
Publicidade