Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Exceção é o Toron

Advogados dos réus do mensalão chamaram de quase tudo a acusação de Roberto Gurgel: peça de ficção, romance policial, alucinação, descompasso com a realidade, etc. Mas, nem todos quiseram desdenhar da peça de Gurgel. Para Alberto Zacharias Toron, que defende João Paulo Cunha, o procurador produziu uma “bela peça de acusação”.

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 08h12 - Publicado em 6 ago 2012, 08h02

Bela peça

Advogados dos réus do mensalão chamaram de quase tudo a acusação de Roberto Gurgel: peça de ficção, romance policial, alucinação, descompasso com a realidade, etc.

Mas, nem todos quiseram desdenhar da peça de Gurgel. Para Alberto Zacharias Toron, que defende João Paulo Cunha, o procurador produziu uma “bela peça de acusação”.

Publicidade