Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como o brasileiro vem sofrendo com dívidas no setor de vestuário

Aumento do índice é considerado normal para o período, mas efeitos da pandemia e do fim do auxílio emergencial contribuem para alta

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 26 jul 2021, 18h31 - Publicado em 26 jul 2021, 18h30

A inadimplência do crediário no varejo de moda no país registrou aumento de 7,4% no primeiro trimestre de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados são do Índice Meu Crediário, pesquisa que mede os níveis de inadimplência junto a cerca de 200 varejistas.

De acordo com o levantamento, as lojas tinham a receber 40,6 milhões de reais no período avaliado e, deste total, 3,4 milhões foram pagos com atraso.

O índice de inadimplência do primeiro trimestre é referente às compras realizadas pelos consumidores em janeiro, fevereiro e março e que estão atrasadas entre 61 e 90 dias.

Após 90 dias, o cliente já é considerado inadimplente pelos órgãos de proteção de crédito.

De acordo com Jeison Schneider, CEO do Meu Crediário, o aumento do índice é natural para o período, em razão das contas de início de ano, mas também é reflexo da pandemia.

“A inadimplência, neste período, é puxada por tributos e contas de começo do ano, principalmente para as classes C e D. Porém, temos ainda um efeito da pandemia, que deve permanecer durante o ano, e o fim do auxílio emergencial. No segundo trimestre, devemos ter uma estabilidade neste indicador e, no terceiro e quarto, este índice deve cair, mas ainda ficar acima se comparado com o ano passado”, explica.

Continua após a publicidade
Publicidade