Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Empresas têm respaldo da lei para aumentarem negros em seus quadros’

Avaliação é de empresária que presta consultoria em igualdade racial

Por Mariana Muniz Atualizado em 22 set 2020, 20h38 - Publicado em 23 set 2020, 10h33

Diretora do Instituto Identidades do Brasil, órgão atuante na causa da igualdade racial no Brasil, Luana Génot saudou a iniciativa da Magazine Luiza que lançou um programa de trainee apenas para pessoas negras — e disse que medidas de promoção à igualdade têm pleno amparo legal para que não sejam, justamente, apontadas como “racismo reverso”. 

“É fundamental que não só as empresas saiam em apoio ao Magalu mas que aproveitem desse momento para também refletirem e se planejaram para fazerem o mesmo, entendendo que a ação da varejista é completamente embasada pela Lei 12.288 que prevê, em consonância com a convenção 111 da OIT, que medidas especiais de proteção não são consideradas discriminação”, aponta Luana, responsável pelo desenvolvimento e criação do Prêmio Sim à Igualdade Racial.

Na avaliação da escritora, é preciso que as empresas saibam que são respaldadas pela lei no que classifica como possibilidade que têm de acelerarem o processo de igualdade racial, tendo sempre em mente a proporcionalidade de negros no Brasil.

˜Quando elas não fazem esse processo, vão contra essa proporcionalidade, visto o resultado que tem-se tido anualmente nos processos seletivos de trainee que em sua maioria são compostos por profissionais brancos˜, explica.

Continua após a publicidade
Publicidade