Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Em um ano, relação de Bolsonaro com governadores vai do céu ao inferno

Bolsonaro acaba de chamar todos os governadores para a briga ao propor um 'desafio' sobre o ICMS dos preços dos combustíveis

Por Robson Bonin Atualizado em 6 fev 2020, 09h32 - Publicado em 6 fev 2020, 08h32

Veja como são as coisas. Em fevereiro do ano passado, o governo de Jair Bolsonaro trocou juras de amor com governadores num evento realizado em Brasília.

Era o começo do mandato de Jair Bolsonaro e o discurso de pacto federativo – leia-se repassar uma fatia maior do orçamento federal aos estados — soava como música aos ouvidos dos governadores, muitos chefes de máquinas administrativas falimentares.

A relação parecia tão boa, tão harmoniosa, que auxiliares de Bolsonaro, responsáveis pela articulação política com o Congresso, apostavam nos governadores para montar a “base política” do governo no Legislativo.

Um ano se foi e o momento vivido pelo governo é completamente diferente. Bolsonaro acaba de chamar todos os governadores para a briga ao propor um “desafio” sobre o ICMS dos preços dos combustíveis.

“Eu zero o federal se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio aqui agora. Eu zero o federal hoje, eles zeram o ICMS. Se topar, eu aceito. Tá ok?”, disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada.

O ICMS dos combustíveis, como se sabe, é uma das principais fontes de arrecadação dos Estados.

Ao mexer nessa ferida, Bolsonaro recebeu uma enxurrada de críticas: “irresponsável, inconsequente, populista…” foram alguns termos usados pelos governadores contra Bolsonaro.

Continua após a publicidade
Publicidade