Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Em meio ao caos, corte emergencial do governo preocupa pouco

O somatório de crise econômica e política chegou a tal ponto que poucas coisas chamam atenção dos economistas. A reação ao corte emergencial de mais de 10 bilhões de reais nas despesas do governo é um sinal disso. “É mais um sinal de caos. Mas o caos mesmo já estava instaurado”, resumiu um especialista em contas […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 23h59 - Publicado em 30 nov 2015, 15h36
Mercado nem se surpreende mais

Mercado nem se surpreende mais

O somatório de crise econômica e política chegou a tal ponto que poucas coisas chamam atenção dos economistas. A reação ao corte emergencial de mais de 10 bilhões de reais nas despesas do governo é um sinal disso.

“É mais um sinal de caos. Mas o caos mesmo já estava instaurado”, resumiu um especialista em contas públicas.

A avaliação é que o congelamento de recursos – atropelado e pouco factível, dado que uma parte considerável dos recursos dos ministérios já estava empenhado – deve durar pouco, até que se aprove a meta fiscal de 2015.

A sessão, que deveria ter ocorrido na semana passada, mas foi adiada por conta da prisão do líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral, está, por ora, marcada para amanhã.

O valor da meta para este ano, vale frisar, pouco importa. Com 2015 dado como perdido, todos os olhos estão voltados para 2016.

Continua após a publicidade
Publicidade