Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Em cenário agudo da crise hídrica, comércio aumenta consumo de energia

Avanço, reflexo da reabertura da economia, tem tendência de desacelerar nos próximos meses, diz setor

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 25 ago 2021, 18h16 - Publicado em 26 ago 2021, 08h30

Diante de crise hídrica considerada a pior das últimas nove décadas e com a possibilidade de um iminente racionamento que assombra os planos do governo, os setores de serviços e comércio aumentaram significativamente o consumo de energia.

A alta na demanda pelo recurso na primeira quinzena de agosto foi de 28% e 14%, respectivamente, na comparação com o mesmo período de 2020. Os dados são da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica.

O avanço, diz a associação, é reflexo da flexibilização das medidas restritivas contra a Covid-19 e da reabertura da economia.

Ao longo do ano, foi observado um aumento acentuado na demanda por energia elétrica no segundo trimestre, com pico de crescimento entre abril e maio.

As menores taxas a partir de julho, diz a CCEE, confirmam a tendência de consumo menos acelerado prevista para os próximos meses, indicando demanda semelhante ao pré-pandemia.

Considerando o acumulado de janeiro até a primeira quinzena de agosto, os segmentos de serviços e comércio registraram alta de 22,2% e 26%, respectivamente, frente ao mesmo período do ano passado.

Continua após a publicidade

Publicidade