Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Gabriel Mascarenhas (interino) Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘É mais um ato de perseguição contra Lula’, diz defesa sobre nova ação

'Ação penal descabida tenta transformar doações lícitas e contabilizadas para o Instituto Lula em atos ilícitos', diz Cristiano Zanin

Por Robson Bonin Atualizado em 23 out 2020, 20h46 - Publicado em 23 out 2020, 20h37

Defensor do ex-presidente Lula nos processos da Lava-Jato, o advogado Critiano Zanin divulgou nota há pouco para condenar a decisão da Justiça de receber a denúncia apresentada pela força-tarefa por lavagem de dinheiro contra o petista.

Para Zanin, Lula virou réu pela quarta vez na Lava-Jato por ser vítima de perseguição. “A decisão proferida hoje pela ‘Lava-Jato de Curitiba’ é mais um ato de perseguição contra o ex-presidente Lula porque aceitou processar mais uma ação penal descabida, que tenta transformar doações lícitas e contabilizadas para o Instituto Lula – que não se confunde com a pessoa do ex-presidente – em atos ilícitos, durante o período eleitoral, em evidente prática de “lawfare”. A mesma decisão desconsidera que Lula já foi definitivamente absolvido pela Justiça Federal de Brasília da absurda acusação de integrar de uma organização criminosa, assim como desconsidera decisão do Supremo Tribunal Federal que retirou da Justiça Federal de Curitiba a competência para analisar o assunto. Por tais motivos, dentre outros, a decisão será impugnada pelos meios legalmente cabíveis”, diz Zanin.

A defesa de Lula, como o próprio juiz Luiz Antonio Bonat deixa claro na decisão em que tornou o petista réu, questionou a competência da Justiça Federal de Curitiba para avaliar o caso, já que o STF definiu que qualquer assunto relacionado à “planilha italiano”, vinculada ao caso de Luiz Antonio Palocci, não é da competência paranaense.

É nessa questão, rejeitada pelo magistrado, que a defesa do petista espera sepultar a ação.

Continua após a publicidade
Publicidade