Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Distritão e ‘super’ fundo partidário podem espantar renovação

Pontos da reforma

Por Pedro Carvalho Atualizado em 11 ago 2017, 12h25 - Publicado em 11 ago 2017, 09h31

O ‘distritão’ parece consenso para 2018. E deve ser um dos pontos da reforma política. Desde que o fundo de financiamento seja dividido conforme as bancadas.

Portanto, deputados estudam uma janela onde cada parlamentar receberia uma fatia entre 5 e 6 milhões de reais por campanha. Senadores ficariam com algo em torno de 10 milhões.

A brincadeira representaria um fundo de aproximadamente 3,5 bilhões de reais.

Além do alto gasto público, um problema disso é a falta de renovação nas candidaturas que isso acarretaria. Espantaria novas candidaturas que não tem verba para bancar uma campanha de 5 ou 6 milhões de reais. E também tirando dos partidos que não tem parlamentar a chance de financiar candidatos — cláusula de barreira.

Não há consenso também sobre como o fundo financiaria deputados estaduais e governadores.

  •  

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade