Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Dinheiro sujo bancou show do Bon Jovi e U2 a ex-governador, diz delator

Segundo MP, empresário cortejava Ricardo Coutinho com shows internacionais

Por Mariana Muniz - Atualizado em 13 jan 2020, 19h37 - Publicado em 13 jan 2020, 19h18

O ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho, apontado pelo Ministério Público na Operação Calvário como chefe de uma organização criminosa que desviou bilhões, não só recebeu dinheiro para suas campanhas como teve shows internacionais bancados pelo operador da Cruz Vermelha do Brasil no Rio Grande do Sul Daniel Gomes.

Na denúncia oferecida nesta segunda-feira à Justiça da Paraíba, o MP diz que Coutinho era “cortejado” por Daniel com o pagamento de despesas para assistir shows de bandas internacionais como Bon Jovi e U2 – aceitas “sem muita cerimônia”, segundo os investigadores.

Num dos diálogos entre Daniel e Coutinho transcritos na denúncia, o ex-governador manifesta seu desejo de assistir ao show da banda irlandesa, cujos ingressos costumam se esgotar rapidamente.

“Eu quero é ver o show do UZ … que eu quero ir, em São Paulo”, diz Coutinho a Daniel. O empresário responde: “posso até ver se eu consigo. Eu, eu acho até que eu conseguia para um dia”.

Publicidade

Os diálogos foram gravados por Daniel e entregues aos investigadores da Paraíba.

O show da banda norte-americana Bom Jovi foi uma cortesia de Daniel ao amigo governador. “Rock in Rio tem, ele me pediu para separar o show de Bom Jovi, eu acho. Aí eu separei já, depois eu lhe, mando, mando para vocês lá em setembro”. “Bacana”, respondeu Coutinho.

Publicidade