Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Dilma pede à Comissão de Anistia para julgar seu caso após a pandemia

Ex-presidente argumenta que decreto de Bolsonaro determinou estado de calamidade até 31 de dezembro 

Por Evandro Éboli - Atualizado em 10 ago 2020, 13h59 - Publicado em 10 ago 2020, 11h23

A ex-presidente Dilma Rousseff oficializou junto à Comissão de Anistia, por intermédio de sua defesa, pedido que seu caso seja julgado somente em 2021, após o término da vigência do decreto de Jair Bolsonaro que declarou estado de calamidade pública até 31 de dezembro.

O processo de Dilma entrou em pauta para ser julgado em 30 de julho, mas a sessão não ocorreu. Foi suspensa em função do teste positivo para Covid-19 do presidente do colegiado, João Henrique Nascimento.

Seria permitida a presença dos conselheiros, dos requerentes ou de seus advogados, com medidas de segurança.

ASSINE VEJA

A nova Guerra Fria Na edição desta semana: como a disputa entre Estados Unidos e China pode ser vantajosa para o Brasil. E mais: ‘Estou vivendo o inferno’, diz Marcelo Odebrecht
Clique e Assine

No ofício enviado à comissão, a advogada da petista, Paula Febrot, cita o decreto de Bolsonaro e que é do grupo de risco – ela em 80 anos – e requereu a retirada de pauta do caso de sua cliente. E que seja julgado “apenas quando houver condições da minha presença para o ato processual”.

Dilma foi presa e torturada durante a ditadura militar e requer reintegração a seu antigo trabalho e reivindica também uma prestação mensal.

Continua após a publicidade
Publicidade