Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Delegado da PF cobrava até R$ 1,5 milhão para não expor investigados

Ele foi alvo da Operação Tergiversação

Por Ernesto Neves - Atualizado em 11 jun 2019, 15h29 - Publicado em 11 jun 2019, 12h43

O delegado de Polícia Federal Lorenzo Pompílio da Hora e o escrivão Éverton da Costa Ribeiro foram presos na manhã desta segunda, 10, sob acusação de extorquir investigados.

Lotados no Núcleo de Repressão a Crimes Postais da Delepat, são acusados de fraude no inquérito que investigava o fundo Postalis, que pertence aos funcionários dos Correios. 

Segundo investigação do MPF, Lorenzo e Éverton solicitaram e receberam quantias que variavam entre  400.000 reais e  1,5 milhão de reais para evitar a exposição na mídia de investigados e potenciais investigados.

E que também atuavam para favorecê-los nas apurações conduzidas por eles quanto às irregularidades no Postalis e no Plano de Saúde dos Correios.

Continua após a publicidade

O MPF afirma ainda que há indícios de que o esquema criminoso envolveu outros agentes públicos e que não se limitou às investigações apontadas.

 

Publicidade