Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Defesa de Moro pede e guerra com Bolsonaro pode ter novo relator no STF

Solicitação foi feita diante da aposentadoria do ministro Celso de Mello, que é o relator do caso

Por Mariana Muniz Atualizado em 13 out 2020, 19h03 - Publicado em 13 out 2020, 18h23

A defasa do ex-ministro da Justiça Sergio Moro pediu ao Supremo Tribunal Federal que um novo relator seja designado para o inquérito que apura a suposta interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal. O pedido foi feito em decorrência da aposentadoria do ministro Celso de Mello, nesta terça-feira.

“Partindo da premissa objetiva decorrente da aposentadoria do Exmo. Ministro Celso de Mello, o presente Inquérito Policial não possui Relator originário a partir da data de hoje, razão pela qual, dentro do permissivo regimental e a pedido da parte interessada, neste caso, representada pelo ora peticionário, requer-se a imediata redistribuição do feito nos termos dos dispositivos regimentais acima mencionados”, dizem os advogados na petição apresentada nesta terça-feira. 

ASSINE VEJA

O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
Clique e Assine

Na quinta-feira, ao participar de sua última sessão no plenário do STF, o ministro Celso de Mello analisou o pedido da AGU para que Bolsonaro deponha por escrito. Ele manteve a decisão que já havia dado, monocraticamente, em agosto — para que o presidente preste o depoimento presencialmente, por ser um dos investigados da ação.

Segundo a defesa de Moro, a redistribuição do inquérito é necessária “considerando a natureza célere do procedimento inquisitorial bem como o prazo concedido para o seu término”.

Continua após a publicidade
Publicidade