Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia e Mariana Muniz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Declaração de Bolsonaro gera mobilização por sua renúncia nas redes

Parlamentares e líderes da oposição defendem que o presidente deixe o cargo, já que o país está quebrado e que nada pode fazer

Por Evandro Éboli Atualizado em 6 jan 2021, 07h33 - Publicado em 5 jan 2021, 21h25

Foi Jair Bolsonaro declarar que o Brasil está quebrado e que, por essa razão, ele não consegue fazer nada que choveram nas redes sociais uma campanha de seus opositores da favor de sua renúncia.

Com hashtags do tipo ‘#pede prá sair Bolsonaro’, parlamentares e lideranças políticas defenderam que o presidente, então, deixe o cargo.

“Se o presidente diz que nada pode fazer frente a crise econômica que levou o Brasil a quebrar, só tem um caminho, sua renúncia ou o impeachment. O Congresso precisa fazer a sua parte”, postou o deputado José Guimarães (PT-CE), líder da Minoria na Câmara.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) foi na mesma linha.

“Bolsonaro diz que não pode fazer nada pelo país, supostamente quebrado. O Brasil não está quebrado: está sem governo, maltratado pela inépcia presidencial e por uma política econômica e de saúde desgovernada. Não dá conta do desafio? Renuncie e liberte o país desse infortúnio!”

Continua após a publicidade

O líder do PDT na Câmara, Wolney Queiroz (PE), afirmou que Bolsonaro não controla as graves crises social, sanitária e econômica.

“Bolsonaro tem razão. Em situações como essa faz falta de um grande estadista que consiga, com firmeza, ter proatividade, planejamento e boa gestão. Pede para sair, Bolsonaro”, escreveu o pedetista.

Alessandro Molon, líder do PSB na Câmara, ironizou a fala de Bolsonaro e afirmou que o presidente deveria voltar para o Congresso e dormir no fundo do plenário, se referindo a uma imagem do então deputado quando estava no mandato parlamentar.

“O presidente assume sua própria incompetência em meio a uma crise brutal. Se era pra assumir o cargo e depois dizer que não sabe o que fazer, melhor teria sido ele continuar dormindo no fundo do plenário da Câmara”

 

Continua após a publicidade
Publicidade