Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Decisão do STJ sobre Santa Catarina estava pronta há 20 dias

Despacho que autorizou operação citou 'risco de prejuízo à investigação' caso medidas 'não fossem imediatamente realizadas'

Por Mariana Muniz Atualizado em 30 set 2020, 11h51 - Publicado em 30 set 2020, 11h30

Chamou a atenção o lapso entre a data da decisão do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Benedito Gonçalves que autorizou a operação realizada nesta quarta-feira contra o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, e a deflagração de fato das medidas de busca e apreensão.

O despacho do ministro é de 10 de setembro. Mas ao deferir a medida cautelar, Benedito argumentou haver fundadas razões para as diligências, por estarem presentes a “existência de crimes em situação concreta e o risco de prejuízo à investigação, caso não fossem imediatamente realizadas”.

  • O governador é investigado por suspeitas de desvios em contratos na área da Saúde e o inquérito da Procuradoria-Geral da República tramita no STJ desde junho. O pedido apresentado a Benedito pela subprocuradora Lindôra Araújo teve como base conversas de aplicativos de mensagens, interceptações telefônicas, quebras de sigilo e depoimentos.

    ASSINE VEJA

    A ameaça das redes sociais Em VEJA desta semana: os riscos dos gigantes de tecnologia para a saúde mental e a democracia. E mais: Michelle Bolsonaro vai ao ataque
    Clique e Assine

    De acordo com Benedito, elementos colhidos até o momento indicam supostos ilícitos na aquisição emergencial, pelo governo do estado, de respiradores pulmonares no valor de 33 milhões de reais pagos com possível sobrepreço.

    Continua após a publicidade
    Publicidade