Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Curso na PF, retomado por ordem de Bolsonaro, registra casos de Covid

Aulas são presenciais e têm previsão de durar 5 meses

Por Evandro Éboli - Atualizado em 19 ago 2020, 13h51 - Publicado em 19 ago 2020, 13h23

Retomado após pressão de Jair Bolsonaro, o curso de formação de delegados, agentes, escrivães, peritos e papiloscopistas da Polícia Federal, que teve início semana passada, já acumula testes positivos para a Covid-19.

Entre 15 a 20 alunos, professores policiais, agentes administrativas e uma técnica em assuntos educacionais registraram a presença do vírus.

Bolsonaro esteve na solenidade de abertura, na semana passada, e discursou sem máscaras para os presentes.

São 500 concursados que estão hospedados na Academia Nacional de Polícia (ANP), em Brasília. Foram divididos em duas turmas: entre 3 agosto e 9 outubro, serão recebidos agentes, escrivães e papiloscopistas; de 12 de outubro a 18 de dezembro, será a vez dos delegados e peritos criminais.

ASSINE VEJA

A encruzilhada econômica de Bolsonaro Na edição da semana: os riscos da estratégia de gastar muito para impulsionar a economia. E mais: pesquisa exclusiva revela que o brasileiro é, sim, racista
Clique e Assine

Para as atividades, os candidatos convocados teriam que levar, cada um, no mínimo, 32 máscaras de tecido branca, 50 unidades de máscara descartável branca, 2 unidades de viseira acrílica transparente “face shield”, além de flanelas brancas de limpeza, sacos plásticos, frascos de álcool gel e de álcool 70%.
Numa mensagem aos servidores da academia antes do início do curso, a delegada Vanessa Souza, diretora da ANP, afirmou:

“Não é exagero afirmar que enfrentaremos nos próximos cinco meses um dos maiores desafios da história desta casa de ensino, que é formar com qualidade novos policiais federais em meio a um cenário tão adverso”.

Radar entrou em contato com o Departamento da Polícia Federal na noite de ontem, e está no aguardo de uma manifestação da instituição.

Continua após a publicidade
Publicidade