Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

CPI muda agenda e vai ouvir motoboy citado em suposto esquema na Saúde

O advogado Marcos Tolentino é ligado ao líder do governo Bolsonaro na Câmara e apontado como sócio oculto do FIB Bank

Por Gustavo Maia Atualizado em 1 set 2021, 10h05 - Publicado em 1 set 2021, 08h30

A CPI da Pandemia iria ouvir nesta quarta o advogado Marcos Tolentino da Silva, apontado pela investigação como sócio oculto da empresa FIB Bank, que forneceu uma garantia irregular para a Precisa Medicamentos na compra da vacina indiana Covaxin pelo Ministério da Saúde.

Uma mudança de última hora, no entanto, colocou na cadeira elétrica da CPI o motoboy Ivanildo Gonçalves, apontado como operador de pagamentos de um suposto esquema de corrupção no Ministério da Saúde. Isso porque Tolentino se internou em decorrência de supostas sequelas da Covid-19.

Sozinho, Ivanildo movimentou 4,7 milhões de reais nas contas da empresa VTCLog, que está na mira da CPI por supostamente alimentar um esquema de pagamento de propina a políticos e burocratas do governo.

O funcionário foi convocado para depor na terça-feira, mas foi beneficiado com um habeas corpus do ministro Nunes Marques, do STF, para que não precisasse comparecer ao Senado. Nesta quarta, avisou à comissão que decidiu falar, por meio dos advogados da VTCLog.

Na reunião de terça, sem oitivas, o relator da CPI, Renan Calheiros, exibiu imagens do circuito de segurança de uma agência bancária que apontam, segundo o senador, que o motoboy pagou boletos para Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde.

Continua após a publicidade
Publicidade