Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

CPI aprova convocação de Luciano Hang e advogada da Prevent Senior

Senadores marcaram depoimento do empresário bolsonarista para a próxima quarta-feira; advogada representará médicos que fizeram tratamento precoce

Por Lucas Vettorazzo 23 set 2021, 11h03

A CPI da Pandemia aprovou há pouco um requerimento para a convocação do empresário Luciano Hang, donos das lojas Havan e apoiador ferrenho de Jair Bolsonaro. A previsão é que ele seja ouvido na próxima quarta-feira. 

Também foi aprovada a convocação, para a próxima terça, da advogada Bruna Morato, que representa médicos da Prevent Senior que prescreveram tratamentos duvidosos contra a Covid-19. 

Havan teve atuação destacada na pandemia junto ao governo. Ele fez parte do grupo cunhado pela CPI como “gabinete paralelo”, formado por empresários, médicos e militantes que influenciavam, de maneira informal, as políticas públicas adotadas pelo Ministério da Saúde no combate à pandemia. 

Esse grupo foi responsável pela defesa dentro do governo do chamado “tratamento precoce”, que nada mais é que um coquetel de remédios sem eficácia comprovada contra a doença, como a cloroquina e a ivermectina. 

Médicos da Prevent Senior, plano de saúde dono de hospitais em São Paulo, receitaram o tratamento precoce como forma de fazer um estudo clínico sobre a sua eficácia sem a anuência de pacientes. A CPI alega que a empresa omitiu mortes por covid dos prontuários para passar uma impressão de que o tratamento era bem sucedido para combater a doença. 

Entre as pessoas que morreram de Covid e tiveram a causa mortis omitida do prontuário médico foi a mãe do empresário Luciano Hang. Ele foi às redes dizer que sua mãe não se salvou justamente por não ter tomado os remédios do tratamento precoce. 

O requerimento para convocar o empresário foi apresentado pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros.

Continua após a publicidade
Publicidade