Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Convocação de Karina Kufa à CPI criminaliza a advocacia, diz defesa

Advogada do presidente Jair Bolsonaro alega 'constrangimento ilegal'

Por Gustavo Maia 2 set 2021, 10h57

Aprovada na terça-feira pela CPI da Pandemia, a convocação da advogada Karina Kufa é considerada pela defesa dela uma forma de criminalizar “o próprio exercício da advocacia” e uma “tentativa de constranger uma advogada em razão dos clientes que defende”.

Karina é advogada do presidente Jair Bolsonaro. Em nota, seus advogados apontaram que “toda a menção que tem sido feita a ela vem acompanhada da qualificação ‘advogada do Presidente’”.

“No caso de insistência em tal convocação, a defesa tomará todas as medidas judiciais cabíveis contra tamanho constrangimento ilegal”, anunciaram os advogados André Callegari , Ariel Weber e Luciana Pires.

Os senadores querem saber se Karina apresentou Marconny Faria, apontado como lobista da Precisa Medicamentos, ao ex-secretário da Anvisa e empresário José Ricardo Santana.

Continua após a publicidade
Publicidade