Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Confusão em licitação milionária da Petrobras

Está destinado a dar uma tremenda confusão o resultado da mais esperada licitação do ano no setor de publicidade – a conta da Petrobras, no valor de 250 milhões de reais por ano. Hoje, às 14 horas, na sede da estatal no Rio de Janeiro, foram abertos os envelopes para que as três escolhidas fossem conhecidas. Na disputa, […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 16h01 - Publicado em 28 jan 2010, 16h33

Está destinado a dar uma tremenda confusão o resultado da mais esperada licitação do ano no setor de publicidade – a conta da Petrobras, no valor de 250 milhões de reais por ano.

Hoje, às 14 horas, na sede da estatal no Rio de Janeiro, foram abertos os envelopes para que as três escolhidas fossem conhecidas. Na disputa, dezoito ansiosas agências. As mais pontuadas foram a curitibana Heads (60,9 pontos de um máximo de 70 pontos), a Dentsu (55,7 pontos) e a carioca Quê (54,6 pontos).

Só que mais de duas horas antes, o site do jornal Propaganda & Marketing,  numa reportagem de Paulo Macedo, divulgou o resultado num furo de reportagem. E aí começa o imbróglio.

Para evitar possíveis vazamentos ou suspeitas, a Petrobras fizera o que é praxe em concorrências públicas: as propostas não são identificadas. Ou seja, em tese, a comissão julgadora não saberia quem é quem e só na hora da abertura dos envelopes apareceriam os nomes das agências vencedoras.  Não foi o que aconteceu.

O mercado publicitário está em polvorosa.  Todos os derrotados prometem chiar alto com a Petrobras e possivelmente na Justiça.

Entre os vencedores, duas agências (Quê e Heads) já detêm a conta da Petrobras. A Dentsu é a novata (de origem japonesa, desfez sua parceria com a DPZ há dois meses), tirando o espaço que hoje é da F/Nazca. Isso se o resultado for mantido.

(Atualização, às 17h53:  A Petrobras não tomou ainda qualquer decisão em relação ao episódio. Na cúpula da estatal, a palavra de ordem é esperar até a semana que vem quando o processo licitatório termina – hoje, foi definida a proposta técnica, que vale 70 pontos; na semana que vem, será julgada a apresentação da proposta e a estrutura das agências, que vale 30 pontos. O problema é que o caso ganhou contornos de  favorecimento e fraude. Fatalmente a Petrobras terá que tomar uma posição antes disso. Provavelmente, é o que irá acontecer).

Continua após a publicidade

Publicidade