Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como explicar a participação do Pastor Everaldo no governo Witzel

Governador do Rio 'dívida moral' com presidente de seu partido, o PSC

Por Mariana Muniz Atualizado em 30 jan 2020, 17h17 - Publicado em 30 jan 2020, 16h17

Aliados do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, andam intrigados com o tamanho da participação do Pastor Everaldo, presidente do PSC, na sua administração.

Everaldo, como se sabe, tem atuado em diferentes áreas do governo Witzel. Uma delas é a Cedae, a companhia de águas do estado, pivô da crise hídrica vivida por cariocas de todos os bairros.

Também está na conta do pastor a ida de André Moura, o ex-deputado que um dia foi braço-direito de Eduardo Cunha, para a Casa Civil de Witzel.

Quem é próximo ao ex-juiz diz que ele acredita ter uma “dívida moral” com o manda-chuva do seu partido. Mas não se sabe até quando esse sentimento de gratidão vai durar.

Continua após a publicidade
Publicidade