Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Com votos do PT, PSOL e PCdoB deputado Boca Aberta se livra da cassação

Conselho de Ética da Câmara salvou o mandato do paranaense

Por Evandro Éboli - Atualizado em 10 Dec 2019, 13h52 - Publicado em 10 Dec 2019, 13h06

O Conselho de Ética da Câmara salvou o mandato do deputado Boca Aberta, acusado de abuso de autoridade e de litigância de má fé ao tentar ludibriar o STF com documento falso.

O relator Alexandre Leite (DEM-SP) pediu a cassação, mas prevaleceu um acordão para salvar seu mandato, revelado por Radar na última sexta.

Por 10 votos a 1 foi aprovado a suspensão por seis meses de seu mandato, e não a cassação. O relator foi convencido a mudar seu parecer.

Marcelo Freixo (PSOL-RJ) propôs a alternativa da suspensão do mandato do deputado por seis meses. Foi acompanhado por dois colegas do PT e um do PCdoB, além de votos de outros partidos, como Thiago Mitraud (Novo-MG), JHC (PSB-AL) e outros.

Continua após a publicidade

O Delegado Waldir (PSL-GO) foi o único, dos que se manifestaram, a acompanhar o relator e defender a cassação.

“Deputado não é Deus. Não pode tudo”.

Dois deputados do PT – Paulo Guedes (MG) e Célio Moura (TO) – e um do PCdoB – Márcio Jerry (MA) – votaram pelo abrandamento da pena.

 

Publicidade