Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Com 8.000 pacientes na fila de cirurgia, crise em Roraima se agrava

Estado vai aos poucos tornando-se uma bomba humanitária à espera de um detonador

Por Robson Bonin 18 set 2019, 09h06

Com apenas uma maternidade para atender uma população de 600.000 habitantes e uma fila de espera por cirurgias que chega a 8.000 pacientes, Roraima vai aos poucos tornando-se uma bomba humanitária à espera de um detonador.

Entre os políticos do estado, a solução encontrada para a crise foi criar uma CPI.

Como o Radar mostrou na semana passada, o vice-governador do estado, Frutuoso Lins, anunciou o rompimento formal com o governador Antonio Denarium, do PSL de Jair Bolsonaro, por causa da predileção do chefe do estado pelo agronegócio em detrimento do resto da população (leia mais em Guerra no governo de Roraima.

 

Continua após a publicidade
Publicidade