Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Clube Militar ataca ministro do STF por queixa-crime contra Bolsonaro

Para a turma do pijama, o herói Bolsonaro luta contra os vilões da "lagosta e vinho francês"

Por Robson Bonin - Atualizado em 1 abr 2020, 23h05 - Publicado em 1 abr 2020, 23h04

Guardião da turma da caserna, o Clube Militar fez duros ataques ao ministro Marco Aurélio Mello, do STF, por ele ter dado prosseguimento a uma notícia-crime contra Jair Bolsonaro.

A peça foi apresentada ao STF pelo deputado petista Reginaldo Lopes (MG). Em suma, acusou o presidente da República por, seus atos, propagar do coronavírus no país com seu comportamento contra isolamento.

Em nota, o clube diz que o objetivo é criar constrangimento a Bolsonaro.

“Diferente de outras autoridades que nesse momento de crise se enclausuram emsuas luxuosas residências, se alimentando de lagosta e vinho francês, o presidente permanece ouvindo o povo para buscar as melhores soluções para resolver suas angústias”.

Continua após a publicidade

Diz o Clube Militar que defender o fim do isolamento total nesse tempo de coronavírus não é crime.

E ataca o ministro do tribunal.

“O próprio ministro Marco Aurélio, que deve ser especialista no assunto, liberou geral para governadores e prefeitos tomarem suas decisões. Surpreende-nos que, ao invés de dar celeridade aos processos contra políticos corruptos, com seus foros privilegiados, que apodrecem à espera da prescrição, o ilustre ministro prefira dar continuidade a um pedido que não mereceria nem a lata de lixo da justiça”.

 

Publicidade