Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Clima no STF é de condenação para Collor, mas pena chegará tarde – Entenda

Acusado de receber milhões em propina no esquema da Petrobras, ex-presidente da República é réu por corrupção e lavagem de dinheiro

Por Robson Bonin 22 nov 2021, 10h10

Réu no STF por corrupção e lavagem de dinheiro no esquema da Petrobras, o senador Fernando Collor será finalmente julgado pela propina milionária que amealhou no período em que tirava vantagens dos “serviços” de figuras como Nestor Cerveró, o ex-diretor da área internacional da estatal.

Quem acompanha o humor dos ministros neste caso, diz que o senador deve ser condenado a partir das provas reunidas pelos investigadores. Ser oficialmente declarado corrupto pelo Supremo, assim como foram os mensaleiros há alguns anos, tende a ser o único infortúnio de Collor no caso.

Aos 72 anos, Collor dificilmente pegará algum tempo de cana pelos crimes cometidos. O Código Penal, no artigo 115, afirma que o prazo de prescrição é reduzido pela metade quando o criminoso era, ao tempo do crime, menor de 21 anos, ou, na data da sentença, maior de 70 anos.

A depender da pena recebida, portanto, Collor seguirá tranquilo, apesar dos carrões importados comprados com dinheiro sujo, segundo os investigadores da Lava-Jato.

Continua após a publicidade

Publicidade