Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Centrão tenta convencer Bolsonaro a colocar um político na Saúde

Avaliação é de que a pasta é importante demais para a imagem do governo, mas está sendo conduzida de forma apagada por Eduardo Pazuello

Por Robson Bonin Atualizado em 23 out 2020, 16h35 - Publicado em 24 out 2020, 14h29

O centrão quer aproveitar o tropeço de Eduardo Pazuello nessa semana, na novela da vacina da China, para mostrar a Jair Bolsonaro que é hora de “desinflar a bolha militar na Esplanada” e colocar de novo um político de ofício no comando da Saúde.

A avaliação dos caciques partidários é de que a Saúde é um instrumento poderoso demais para ficar limitado pela atuação de um “carregador de piano” como Pazuello, que não teria capacidade de capitalizar para o governo os dividendos políticos de tamanho orçamento e poder da pasta.

“Em plena pandemia, era para o Ministério da Saúde ser o melhor marqueteiro do governo. Mas o que ocorre é exatamente o oposto. A Saúde, quando não está apagada, está na página de crises”, diz um aliado de Bolsonaro.

Publicidade