Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Em relatório a ministério, Ceasa desmente Bolsonaro, que apaga vídeo

"A Ceasa esclarece que não há qualquer desabastecimento em função do coronavírus", diz empresa em documento

Por Evandro Éboli - Atualizado em 1 abr 2020, 12h13 - Publicado em 1 abr 2020, 12h01

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, foi informada logo cedo pelo comando da Ceasa de Minas Gerais que não ocorre desabastecimento de alimentos naquela unidade.

Foi enviada a ela um vídeo feito por servidores da companhia mostrando funcionamento normal e também um relatório.

Essa informação equivocada foi divulgada pelo presidente Jair Bolsonaro nas suas redes sociais, usando como base um vídeo no qual uma pessoa diz que a unidade está sem alimentos e a culpa é da corrida aos supermercados pelo coronavírus.

A Ceasa desmentiu informação veiculada pelo presidente Jair Bolsonaro de que há problemas de desabastecimento de alimentos naquela unidade.

Continua após a publicidade

Depois da confusão armada, Bolsonaro apagou a postagem inverídica.

“A CeasaMinas esclarece que não há qualquer desabastecimento em seus entrepostos, em razão do coronavírus (Covid-19). A empresa reafirma que têm sido mantidas todas as atividades necessárias à comercialização das mercadorias nas suas seis unidades do estado (Contagem, Uberlândia, Juiz de Fora, Governador Valadares, Caratinga e Barbacena)”, diz nota da Ceasa que ser
​​​​​​​

A Ceasa informou ainda, também a ministra, que realiza levantamento diário das quantidades ofertadas,   preços e procedências dos produtos, dentre outros dados que permitem orientar o público acerca da situação do mercado, em especial produtores rurais, atacadistas, varejistas e outros agentes do abastecimento.

“Como medida de prevenção ao coronavírus (Covid-19), a CeasaMinas reforça ainda que as atividades em seus entrepostos foram adequadas no sentido de reduzir o fluxo de pessoas, sem afetar o abastecimento”

E que também está seguindo recomendações da área de saúde.

Continua após a publicidade

“A empresa tem atuado em conjunto com representantes dos comerciantes, produtores rurais e de demais trabalhadores, para reduzir os riscos de contágio pela doença, através da divulgação das recomendações dos órgãos oficiais de saúde pública na esfera federal, estadual e municipal”.

Publicidade