Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Pedro Carvalho. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Caixa estuda nova licitação de publicidade e quer “pegada mais social”

Redução de orçamento faz o banco replanejar estratégias na área; clubes devem perder apoio e recursos devem ir para formação de atletas em áreas carentes

Por Evandro Éboli - 22 jul 2019, 08h51

A Caixa tem um estudo para fazer nova licitação na área de propaganda. Hoje, três agências atuam, mas com contratos antigos, de gestões anteriores. A verba de propaganda, publicidade e patrocínio caiu de R$ 1,2 bilhão para R$ 200 milhões neste 2019.

O objetivo da estatal é pulverizar os recursos de patrocínio. A nova política inclui, por exemplo, não priorizar clubes de futebol, mas, sim, formação de atletas de base. Algo mais social.

É também interesse em atingir, nessa área, o cliente da Caixa, que não está nas classes A e B, mas C,D e E.

A orientação é uma “pegada mais social”.

Publicidade