Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Brasília terá projeções para cobrar o procurador-geral: ‘#NãoEngavetAras’

Anistia Internacional Brasil e outras organizações cobram que o chefe do MPF responsabilize as infrações apontadas pela CPI da Pandemia

Por Gustavo Maia Atualizado em 1 nov 2021, 18h46 - Publicado em 1 nov 2021, 18h30

Logo mais, às 19h, um grupo formado por 20 organizações fará projeções na Biblioteca Nacional de Brasília e na Rodoviária da cidade para lembrar os mais de 600 mil mortos pela Covid-19 e cobrar o procurador-geral da República, Augusto Aras, para que responsabilize as possíveis infrações apontadas pela CPI da Pandemia.

As intervenções terão uma hashtag que faz um trocadilho com o nome do chefe do MPF e o ato de engavetar: “Mais de 600 mil histórias / Mais de 600 mil amores / Mais de 600 mil sonhos / Lembraremos de quem se foi. Lutaremos por quem está aqui / Omissão Não é Política Pública. #NãoEngavetAras”.

A mobilização faz parte da campanha “Omissão Não É Política Pública” e ocorre na véspera do Dia de Finados. O ato é promovido por uma parceria entre a Anistia Internacional e organizações como a Oxfam Brasil, o CIMI, a Justiça Global, a entre outros Associação de Vítimas e Familiares de Vítimas da Covid-19.

“As denúncias, apresentadas pelo relatório final da comissão do Senado, não podem ser engavetadas”, defende o grupo.

Continua após a publicidade

Publicidade