Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bode na sala

A bancada baiana na Câmara tirou o dia ontem para cozinhar Jaques Wagner na crise da greve da PM. Enquanto ACM Neto bradava da tribuna que Wagner “era o governador que se elegeu mostrando o contracheque miserável da PM na televisão”, Lúcio Vieira Lima batia no fato de Wagner ter tentado jogar no colo de […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 09h34 - Publicado em 8 fev 2012, 13h23

Jaques Wagner na mira

A bancada baiana na Câmara tirou o dia ontem para cozinhar Jaques Wagner na crise da greve da PM. Enquanto ACM Neto bradava da tribuna que Wagner “era o governador que se elegeu mostrando o contracheque miserável da PM na televisão”, Lúcio Vieira Lima batia no fato de Wagner ter tentado jogar no colo de Dilma Rousseff a justificativa da crise.

Para o peemedebista, na pressa de livrar-se da culpa pelo caos no estado, Wagner acabou colocando o bode da PEC 300 na sala de Dilma:

– Ele não está sendo correto com a presidenta. Ele quer jogar a crise para Dilma. A PEC 300 não é reivindicação dos grevistas.

Continua após a publicidade
Publicidade